quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Um amor
Que se alimenta de mim
Não acaba assim
Aos teus pés
Junta então teus cacos
Antes que vire pó
Que ele soprara em tua boca
E num beijo sagrado
Te encherá do espírito
De Deus


quarta-feira, 1 de novembro de 2017



A banda da meninada

Téo era um menino que veio de um lugar muito musical, a cidade de Doremi, onde  aos sábados era dia de banda na praça. E nas escolas dessa cidade de manhã ou de tarde sempre tinha aula com grande variedade de instrumento musical.
A criançada queria uns os bandolins, outros violinos, tinha quem amasse piano, menino que só queria saber de tambor outros de atabaque e agogô, também tinha instrumento que veio de lugares distantes, harpa era um deles, e se juntavam alegres numa banda.
Téo era só felicidade nessas aulas, mas suas mãos invés de tocarem pareciam que dançavam. Ele gostava de bater as mãos, sacudir os punhos e inventar uma música no ar. Mas tocar não bem o dom dele.
Um belo dia de aula eles descobriram uma forma de completar a banda, pois que toda banda precisava de um regente. Enquanto Téo batia as mãos, levantava os braços dando pulinhos, a criançada entrava no seu ritmo, eis que ele lançava um ritmo para na sala de aula.
Ah, então a descoberta seria Téo a reger o som da banda da meninada!
Assim, num dia alegre todos tocaram na banda mais animada da cidade!

domingo, 29 de outubro de 2017

momento desbotado

cheio de ausência
o coração sente dormência
não que queira ouro
são como bijuterias no esgoto.
sem diálogo
o mundo paralisado
com flash para todo lado
só as lágrimas na água rolam
se perdendo no escopo.
nesse momento desbotado
como que absorto
o tempo parece oco.

quando o mundo vive uma crise de ego
adoecidos pela depressão e ansiedade
o sorriso é feito por designer.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

As carnaúbas
Sao tao fortes que vergam com o vento
E nao quebram
Flexiveis como um corpo celeste
Nesse balanÇo de encontro com o ar
Sempre levam ao mesmo lugar
A origem da gente
Nosso descansar
Vai a alma vem o vento
BalanÇar
E nesse lugar
Continuam a respirar
Profundamente
Como quem vai libertar
A mulher, a amante e o lar
Em um so ser
Que ira se deitar na beira do mar
Para a onda carregar qualquer mal estar
Que esse mundo de homens veio causar.
Mudou se a tática de luta
Usou tantas condutas
A lingua a palavra e a força bruta
Para esse país invadido habitar
Eis que ela flutua
E as carnaúbas quase extintas
Abatidas pelas foices
Querem ficar
Sabem escutar o som que faz meditar
Vergam flexiveis
DanÇando ao som do mar
Vao espalhar
Essa forÇa de vital
No mundo novo que há brotar

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Ah mundo de controvérsias
Tua formosura
É quimera
Prega peças
Em quem de ti espera
Compaixão de uma fera

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Tente me encontrar
Num café ou um bar
Na igreja ou no lar
O que vale
É sair do lugar

domingo, 13 de agosto de 2017

Nem tanto a frente
Que não tombe para trás
Olha a água que cai
E o sapo que pula
Parece que sabe onde vai.