quarta-feira, 21 de outubro de 2009

absolutamente
ela coleciona absurdos
vive de surtos
demasiadamente
viciada em pó
em tudo
que degenera
e ressurge.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Des-envolvimento


fotografando em máquinas
digitais nossas histórias
esvai-se o cotidiano
descartáveis compartimentados
títulos nexos comprimidos camisinhas
acreditando que não há tempo
paras piegas doçuras de amor
oras, sejamos práticos
pra que o amor fati?
se um auto-móvel me dirigi
por correios eletrônicos
e a carta que compartilharia em partes
já se tornou antiga
Honduras em estado de sítio
era informação que já passou
enquanto uma menina
choraminga um hematoma
ouvindo jazz bem baixinho
lê sabe-se lá o que da ciência
não há com quem compartilhar
a bolsa de gelo nem a indignação

E o mundo é mundo mesmo
que se desconheça a poesia!



Des-envolvimento 2

a música do alvorecer
debruçou-me sobre o desejo
flutuei no aconchego
sensação clandestina de ser
a mulher que soubeste amar no leito
e comer num verso curto
mas, que não sossega com metidas breves
e em pétalas roxas nas coxas
suavizadas em azuis celeste
mas consumida quanto
mais se afasta dela-s.