sábado, 8 de julho de 2017

quando sinto a finitude
minha pele se arrepia

nascer predestinada
ao ar voltar

a beber na agua do mar
saciar a sede

de tudo que se desfez
ao tocar

a vida

Mar cósmico
De uma combustão sudorípara

Transmissão microscópica
De elementares decompostas

Urge orgânicamente construída
Em explosão molecular

a vida.

Nenhum comentário: